DaCosta

O que cabe em minh'alma

Textos

                                        SOB O LUAR
Nesta rua deserta ecoam meus passos]
Sob a luz do luar, na penumbra da vida
Lentamente caminho sem querer chegar...
Ah! A beleza é de infinitesimal medida
Assim, cabe em todo lugar!

Nesta rua deserta de sons, não de cores
São múltiplos os odores do dia que foi:
- cheiro de bebidas vendidas em bares
- de frituras, de lanches...

Imundos papéis que um vento,sem pressa,
arrasta moleque, zombando da arte, criando painéis!
Tem restos; lixos ambulantes, de ambulantes vidas;

Tem vitrines sem luxo
Pipocas no chão...
Pedaços de calçadas, lavados, pelo homem que vende sabão!
Tudo boia no prateado que a Lua derrama sem pejo ou temor

De repente, uma sombra no vidro polido...
Tentei alcançá-la!
Na rua vadia andei mais além
A imagem desgarrada esvaeceu
Não vi ninguém!
Zelia da Costa


 
 
dacosta
Enviado por dacosta em 03/11/2017
Alterado em 03/11/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras